05/01/2011

EU!

Eu sou aquele que você vê e não dá nada,
só vê um menino-homem nada interessante,
nem feio e nem bonito, um cara discreto.
Daí você começa a me conhecer,
você como todos os outros(as) se impressiona,
com meu modo de falar, minhas ideias,
meu modo de viver e de enxergar o mundo!
Aí você me admira, se surpreende positivamente
sempre que me vê, sempre que pensa em mim!
Isso toma conta de você de uma forma
que nunca aconteceu antes e Eu me torno
especial na sua vida, você acorda e vai dormir
e Eu estou lá na sua mente, no seu sentir!
E isso com o passar dos dias, das horas,
dos minutos ti incomoda profundamente,
você sente seu mundo abalado e fora
de controle, mas se sente bem com isso
por um tempo. Mas a verdade sempre aparece,
não podemos nos anular por muito tempo.
Você percebe que Eu sou seu oposto
e você não aceita! Faço o que quero,
sempre penso em mim primeiramente,
não boicoto minhas vontades e
não uso os falsos moralismos sociais.
Meu modo de viver livre ti incomoda e muito,
porque você não é capaz de fazer o mesmo!
Você não compreende como Eu pude virar
seu melhor amigo, seu melhor amante,
sua mãe carinhosa, seu pai rígido,
seu irmão mais velho, você não admite
que Eu sou você melhorado,
Eu sou você livre!
Eu sou o que você sempre quis ser!
Não digo isso em relação a crenças
e ideias, digo as coisas que importam,
e o que mais importa é o que você
deseja ser, mas é fraco e não tem
coragem de apenas ser você,
sempre vai deixando seu Eu
para depois! Só que a vida
passa, seu tempo é feito
de dias, horas, calendários,
meu tempo é feito de momentos
e de lembranças do meu Eu,
do meu viver intenso e liberto!
Não se ache especial,
esse texto é uma constatação
de 20 anos, não tem um “você”
específico!

2 comentários:

Renan disse...

Nó, que é isso ai. Eu li pensado no Tyler.

Jurnalista disse...

Você, Eu... o mesmo. Só a concretude dessa liberdade pode os diferenciar. Pralém, o restante...